A orgia midiática

ATUALIZAÇÃO


Eu não tinha visto, mas esse texto foi publicado em maio no Observatório da Imprensa: http://www.observatoriodaimprensa.com.br/news/view/_ed748_a_orgia_midiatica

———————————————————————————————————-

Foto do espelho d’água da FCLAR, postada na página da Paralisação no Facebook.

As diversas barracas que tomam a área ao lado do prédio do Restaurante Universitário da Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara, um dos maiores e mais importantes campus da Unesp, se tornaram protagonistas na semana passada de uma série de especulações tão superficiais e mesquinhas por parte da imprensa que não apenas formaram um juízo equivocado do movimento conduzido pelos estudantes mas em pouco ou nada ajudaram no real problema que elas representam. Pelo contrário: as matérias enviesadas e sensacionalistas apenas contribuem para fomentar o preconceito já tão grande contra o estudante de baixa renda que faz parte do meio universitário – e contra o movimento estudantil como um todo.
Famosa pelo seu histórico de lutas por diversos direitos, a comunidade estudantil de Araraquara já ocupou o Campus Universitário por outras vezes. A própria construção do complexo que forma a Moradia Estudantil da FCLAr foi motivada por uma ocupação ocorrida nos anos 80. A ocupação dessa vez, no entanto, tinha outro mote: a expulsão de alunos da mesma Moradia em consequência de uma acusação de práticas que feriam os regimentos internos da instituição. A mais chamativa – e a mais comentada – seria uma orgia que, efetivamente, nenhum aluno, funcionário ou professor sabe ao certo como aconteceu.
Acampamento dos Alunos (Foto: Moisés Schini)
Uns argumentam que a punição foi justa, por considerarem a Moradia como um ambiente público e tal ato ferir a convivência no local, enquanto outros questionam a motivação pessoal da acusação – feita por membros da própria Moradia que possuíam problemas pessoais com os acusados -, bem como o suposto policiamento moral sobre o comportamento sexual alheio; É fato que o acirramento das posturas em defesa do politicamente correto e do incorreto – e da própria delimitação do que concerne a cada uma dessas esferas – traz à tona um dado da nossa realidade que cada vez mais salta aos olhos, a relação complicada da sociedade com os limites da sexualidade e do corpo. Ademais de julgamentos que se possa fazer sobre a motivação da expulsão, o que mais chama a atenção é a ação da diretoria da faculdade que, sem nenhum tipo de questionamento ou ponderação, abriu sindicância contra os alunos imediatamente. Em nenhum momento parece ter sido questionada a situação desses alunos como pessoas carentes, que ao serem retirados da Moradia perderam também a possibilidade de prosseguir com seus cursos de maneira plena. Além disso, há de se reforçar o terrível sentimento de invasão de privacidade ao exporem de maneira tão fria e inconsequente a intimidade desses alunos. Ao assumir a ação do sexo grupal como um dos fatores principais que, aquém da questão econômica, contribuíram para seus afastamentos, criou-se uma situação vexatória e desnecessariamente ultrajante. Por conta de uma ação autoritária e desastrada, alguns dos sindicados já desistiram de seus cursos por não ter como se sustentarem sem o benefício da Moradia, além de ficarem estigmatizados como os alunos participantes da “orgia”. Foi contra isso que se ergueram as barracas.
Então, na semana do dia 13 de maio foi iniciado um movimento de paralisação na FCLAr. Essa paralisação incluiu, entre as demandas do movimento estudantil, a questão da expulsão dos alunos, por compreender que um dos temas da paralisação, a permanência estudantil, era contemplada pelo movimento de ocupação. Mas apesar do mote similar, em nenhum momento o movimento que paralisou as atividades da FCLAr de 14 a 17 de maio foi motivado por uma “defesa à orgia”, como insistiram não apenas os detratores do movimento estudantil como diversos jornais, num claro desserviço ao real intuito das manifestações. Grandes portais como Folha de São Paulo (“Expulsão de alunos por orgia causa protestos na Unesp de Araraquara”), Veja (“Unesp: após orgia em festa, estudantes interrompem aulas”) e G1 (“Expulsão de 6 alunos após orgia gera manifestação na Unesp Araraquara”) noticiaram que o protesto foi motivado pela orgia, e que os estudantes que realizaram o bloqueio das salas de aulas com cadeiras – medida extrema com a qual não concordo a priori, mas que não vou analisar profundamente pois não é motivo do texto – tinham como objetivo norteador a sindicância aberta contra os alunos.
Ao noticiar de maneira completamente equivocada e sensacionalista a paralisação como consequência da “orgia” na moradia, os veículos midiáticos apenas acirraram ânimos e preconceitos contra os estudantes dentro e fora da universidade. A Assembleia realizada em em 18 de maio com a participação de mais de 1000 alunos decidiu por não realizar uma greve, mas quem esteve lá – como eu estive – viu que muitos dentro da própria universidade não tinham claro o real motivo da paralisação e da proposta de greve, e reincidiram nas acusações referentes à orgia e ao comportamento dos estudantes da Moradia Estudantil, reproduzindo o preconceito de classe evidente nos próprios discursos dos veículos midiáticos.
Mas, e acima de tudo, o movimento que se ergue nas várias unidades da Unesp tem por alvo primeiro o PIMESP – programa de inclusão do governo do Estado que possui ampla rejeição por parte da comunidade acadêmica. O Programa que visa “adequar” a exigência de um sistema de cotas ao modelo das grandes universidades do Estado de São Paulo, sob pretexto que o sistema de cotas diminuiria a excelência das universidades paulistas, é visto como uma medida paradoxalmente racista e excludente, que atinge diretamente a parcela mais pobre da população que almeja uma vaga nas grandes instituições de ensino do Estado. A medida afeta diretamente a permanência estudantil, uma das bandeiras do movimento. Ao asseverar em suas manchetes que a paralisação das atividades dos alunos tinha como bandeira a “orgia”, a mídia desviou o foco – talvez intencionalmente – dos problemas reais contra os quais lutam os estudantes.
Durante os dias de paralisação aconteceram debates, atividades culturais, apresentações de palestras e vídeos e outras atividades que a mídia não cobre e nem vai cobrir, provavelmente. O ambiente de convivência pacífica e de reflexão implementado pelos alunos da FCLAr por três dias seguidos não é assunto tão interessante quanto uma orgia, pois na condenação moral dessa ação e no reducionismo que conduz a ela encontramos os ingredientes para a desconstrução de todo o sentido inerente a uma mobilização do tipo – e nossos caciques midiáticos morrem de medo de qualquer mobilização. Eu me pergunto quando foi que a orgia deixou de ser uma prática sagrada, um culto à fertilidade, como nos tempos da Grécia Antiga, para se tornar o alvo da culpa e da repressão dos indivíduos. Quando deixamos de ver a vida como uma festa e passamos a vê-la com tanta reprovação e culpa? Será que realmente uma orgia é motivo para tanta celeuma – mais do que o direito de morar e estudar em paz?
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s