Diga-me com quem andas…

Todos que me conhecem sabem que eu sou leitor da Carta Capital. Acho que, nesse jornalismo semanal que se estabeleceu no país, ela é a melhor das revistas, até porque o parâmetro de comparação (Veja, Época e Isto É) é muito baixo, e está diretamente ligado ao lado da balança com a qual eu não me afino. Desculpem aqueles que não acreditam nisso, mas eu sou de esquerda e sempre vou ter mais simpatia com essa cara da moeda filosófica ocidental que com a velha coroa. De qualquer forma, me assustei ao ler o texto de Marcos Coimbra sobre o julgamento do suposto mensalão.

Não, eu não acredito na tese de que tenha existido o mensalão nos moldes que a mídia apregoa. Não acho, ainda, que todos os acusados sejam realmente tão criminosos quanto se quer. Odeio esse pré julgamento, que já decidiu que todos são culpados porque são políticos, não porque são suspeitos. Acreditar na tese de uma corrupção plena e irrestrita que comanda toda a política nacional é ser tão massa de manobra quanto achar que x ou y são inocentes. As pessoas não percebem, mas a desilusão política substituiu o senso crítico no país de tal forma que a única coisa discutida é a corrupção. Não se debate o sistema que leva a corrupção, como está estruturada nossa política e como conduz-se o modelo eleitoral brasileiro. O mensalão e todo e qualquer caso de corrupção são tratados sempre (e a mídia é a mola mestra disso) como ESCÂNDALO. Ou seja, tem a mesma profundidade que a próxima escapulida do Adriano de um treino do Flamengo.

Por isso eu não compro a tese do mensalão como ela se apresenta. Mas também não sou cego ou burro: algo aconteceu. O que, para os articulistas da Carta Capital, os pôs numa complicada berlinda.
Eles são apoiadores irrestritos do governo do PT, como eu sempre fui. Isso não é problema, aliás. Eu gostaria que todos os veículos assumissem a sua diretriz ideológica e seus candidatos como a Carta e o Estadão fazem, cada um pro seu lado. Mas ninguém pode simplesmente negar o que está acontecendo pelo simples fato que seus aliados podem estar caindo. Ao fazer isso, a Carta Capital e o seu articulista não se diferenciam tanto de Veja e seu feroz cão de guarda, o Reinaldo Azevedo.
Se a suprema corte brasileira, o STF, é o único detentor do direito de julgar de verdade o caso e não a mídia, como sempre apregoa Mino Carta, por que agora se ataca o STF? Porque se faz julgamentos ad hominem, procedimento adotado pela própria Veja e tão criticado pela mesma Carta? A que propósito se coloca o texto de Marcos Coimbra senão defender os interesses de seus patrões, tão envolvidos com PT quanto a Veja com os Democratas e Tucanos?

Uns fazem saber que andam de motocicleta, outros que são exímios músicos, alguns se apresentam como poliglotas. Identificamos seus times de futebol, os restaurantes que frequentam. Às vezes, até seus negócios e os ambientes inadequados que frequentam.
Eu concordo que há uma espetacularização excessiva em tudo na nossa mídia. Mas isso permite que ponhamos em dúvida a lisura dos ministros por eles aparecerem em demasia na mídia? Ou é apenas uma maneira de descaracterizar o julgamento, esvaziando o sentido dele e permitindo apenas uma visão do que ocorre? O que dizer do Joaquim Barbosa, que de herói da revista virou vilão após decidir condenar os “mensaleiros”? Quer dizer que a Carta apoiará Gilmar Mendes se esse decidir não punir ninguém?
A única coisa que realmente temos que ficar atentos é se os juízes estão cumprindo seu papel de julgar, não aplaudir quando se faz a justiça que queremos de um lado ou de outro. Não sou também imbecil de achar que a nossa corte é incorruptível, mas de que adianta apenas defender a corte quando ela julga pro seu lado? Eu não acredito na inocência de metade das pessoas ali e, pra ser bem sincero, acho que nem o Zé Dirceu é 100% inocente, apesar de não termos provas contra ele. É desonestidade, pra mim, criticar a Veja por colocar o Marcos Valério em sua capa acusando o Lula de chefiar a “quadrilha” e depois desmerecer o supremo por absolver o João Paulo Cunha só porque este é “amigo do chefe”. Escolher como capa um problema que desvia o foco do assunto principal (“O amianto mata”) para proteger os seus patrícios condenados parece não ser mais estratégia apenas da Veja.
Por isso temos essa visão infantil da política nacional: porque nossos veículos informativos confundem ideologia com patriciado. Eu ainda tenho muito respeito pela revista sim, sou seu leitor, mas eu me não sou burro. Espero que a Carta perceba seu erro e não caia nos mesmos erros dos semanários que tanto tem criticado pelos anos. Pelo bem do país.

Anúncios

Um comentário em “Diga-me com quem andas…

  1. Excelente texto Fábio! É realmente difícil se guiar pelas revistas semanais no Brasil (se é que dá pra fazer isso em algum lugar do mundo). Não sabia que a Carta estava “desviando” do assunto e provavelmente não ficaria sabendo se não fosse seu texto.

    Sempre preferi a esquerda também, mas acho preocupante se a Carta Capital começa a fazer essas coisas, porque simplesmente não há muita clareza nisso. Explico. Se a Veja faz alguma das atrocidades comuns dela, nós, que somos mais esclarecidos e conectados, ficamos sabendo na hora e logo se cria um debate nas redes sociais e acadêmicas. Se a Carta Capital faz algo errado, dificilmente repercute nesse meio. Acho isso preocupante em certo ponto. Por isso mesmo, parabéns e divulgue esse texto direito pra o máximo de gente possível ler.

    Abração

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s